domingo, dezembro 19, 2004

segunda-feira, novembro 22, 2004

Somos todos anjos caídos?

Fui rever "Fallen Angels", de Wong Kar-wai; e o filme acabou por me levar a procurar coisas antigas. O resultado é que o tema do "Diário Íntimo" de George Sand ficou ultrapassado; ou talvez não, talvez acabe por se relacionar com o que enho a dizer.
É que me lembro exactamente da primeira vez que vi este filme; escolhi-o por mero acaso, o que eu queria de facto era qualquer coisa que me retirasse de mim mesma. (Quanto a esse objectivo, foi uma escolha falhada; mas fosse outro o meu estado de espírito e talvez não tivesse sentido a mesma intensidade de emoções.)
Mas o que eu queria perguntar neste post é se de facto estaremos todos condenados a ser anjos caídos, impossibilitados de viver o amor na sua forma mais intensa - pois essa aconteceu sempre no passado.

sábado, novembro 20, 2004

E, se dúvidas houvesse...

quanto ao papel da Ordem dos Arquitectos na sociedade, ficam desfeitas com este pequeno facto: a notícia sobre a reeleição de Helena Roseta como bastonária saiu hoje no Público, numa daquelas "breves" da secção de Cultura. Pois. Estamos conversados quanto ao nosso papel na Sociedade, não estamos?

E quanto à Ordem dos Arquitectos, bom... Acho que me fico por aqui.

sexta-feira, novembro 19, 2004

Pois é, perdemos. 440 votos para a A, 343 para a B, 36 brancos, 3 nulos, o que significa que apenas cerca de 20% dos arqtuitectos a norte votou. O que é que se passa com uma ordem que não consegue mobilizar para uma eleição mais do que 20% dos seus associados, ainda por cima numa altura supostamente tão importante como a da luta pela revogação do 73/73? E destes 80% que não se deram ao trabalho de pôr um boletim de voto no correio, quantos não o fizeram por não terem as cotas em dia? E o que é que tudo isto significa?
Parece-me cada vez mais claro que só quem precisa das certidões para dar entrada de licenciamentos é que paga as cotas. Isto é significativo - e grave. Porque em última análise quer dizer que a ordem não serve para nada, respondendo a uma pergunta que tem sido feita muitas vezes entre nós; e que até a própria bastonária já se fez, em artigo de opinião publicado dois dias antes das eleições no jornal Público. Pelos vistos, não soube bem responder-lhe...

Enfim, acabaram-se as listas. E agora?

quarta-feira, novembro 17, 2004

Como uma noite fria e nada prometedora pode estar cheia de pequenos prazeres

Basta retirá-los do (quase) nada, das fantasias e dos desejos. Por exemplo: se afinal o amigo do cinema me liga a dizer que se vai redimir por me fazer perder o cinema, retirar daí prazer, e não irritação por não o ter afinal encontrado. Por exemplo: se o VP me repete que a minha fotografia é a mais gira, seguido de uma conversa quase incongruente, retirar daí prazer, e não embaraço. Por exemplo: se depois diz a um outro que me falava "Antes tinhas mais jeito", retirar daí prazer, e não ultraje. Por exemplo: olhar quem desejo nos olhos. E sentir: prazer.

terça-feira, novembro 16, 2004

Eu podia nem me chatear muito: afinal, vou estar com ele na mesma, só não vou é aproveitar os convites para o cinema. Pois. Mas não: foi como uma tampa que tivesse levado. Agora vou ficar quieta. Muuuuuito quieta. 2046 bem pode ser o ano em que o volto a convidar para sair.

Como é que um gajo pode ser tão idiota que prefira passar uma noite a discutir umas eleições que já estão - com toda a certeza - decididas,

a ir ao cinema com uma amiga?
A resposta é simples: ou o gajo não gosta dela, ou o gajo tem medo dela. Nem sei qual é a melhor opção. De qualquer forma:
HOJE ÀS 21:30 REUNIÃO DE CAMPANHA.
Humpft.

segunda-feira, novembro 15, 2004

...a que iludidos escoadouros do sonho assim nos trai a incorrígivel carne...

William Faulkner, Absalão, Absalão!

E tudo isto para voltar ao assunto da semana (há uma semana que é assunto, quando antes simplesmente - não era), porque me pergunto agora a razão de se formarem os desejos, num sítio dentro de nós que primeiro não existia.
O desejo, primeiro, a vontade de seduzir;

onde é que começa afinal o amor?

domingo, novembro 14, 2004

Clumsy me

Muita imaginação dá depois nisto: de tanto fantasiar toda a conversa ao primeiro tropeção estatelo-me nas palavras, tudo o que digo me sai desajeitadamente da boca, perante o meu espanto; fecho os olhos com força, mas já não há nada a fazer, o convite passou a ser bruto e não simples, como quem pergunta se apetece um café.
Imaginar, mas nem tanto, talvez; pelo menos não me imaginar mais sedutora (mais capaz de sedução) do que realmente sou.
E agora, resta esperar, depois do fiasco do telefonema - sem pensar demasiado em terça-feira, no que visto no que digo no que acontecerá - pensar apenas no prazer que daí possa tirar -

sexta-feira, novembro 12, 2004

close your eyes and

mais um ponto cartografado nas minhas emoções:

o desejo que sinto forma-se apenas como um nó
qualquer coisa que se aperta cá dentro ao ouvir o nome, ao saber que está ali tão perto, e eu a imaginar
imaginar imaginar imaginar
poderei fazer qualquer coisa tornar a fantasia mais próxima da realidade
imaginar imaginar imaginar

Ainda Land of Plenty


Não falei ainda sobre o filme, mas posso dizer que a banda sonora é LINDA. Por favor arranjem-ma. Dão-se alvíssaras.
ESTA 6.ª FEIRA, DIA 12, ÀS 17:30, NO "HOTEL GRÃO VASCO"

EM VISEU, VAMOS APRESENTAR A NOSSA CANDIDATURA.

quinta-feira, novembro 11, 2004

o meu outro moleskine 1

Fui ver Land of Plenty
Há dias, antes deme deitar, vi um bom bocado de As Asas do Desejo, a beleza melancólica desse filme - das palavras que apenas leio, proferidas numa língua que não conheço e que assim se assemelha mais a um sussurro do que a um texto, das imagens a preto e branco (cuja transformação em cor, nas breves passagens da primeira parte do filme, são tão belas como esse mundo monocromático).
Emocionei-me com o percurso na biblioteca (o silêncio dos pensamentos finalmente audível), emocionei-me com o estribilho: a criança quando criança, pergunta: porque é que eu sou eu e não sou tu?
(Acho que foi nessa parte que algo em mim quebrou, talvez a beleza levemente angustiada das palavras de Handke tenha desfeito em mim qualquer coisa, uma barreira, um nó.)
Certo é que durante o dia a angústia parecia afastar-se, parecia estar já ultrapassada
(e se não tiver sido por causa das lágrimas de domingo? e se não tiver sido por isso?)
ESTA 5.ª FEIRA, DIA 11, ÀS 21:30, NO CAFÉ-CONCERTO DA CASA DAS ARTES

EM FAMALICÃO, VAMOS APRESENTAR A NOSSA CANDIDATURA.

segunda-feira, novembro 08, 2004

ESTA 3.ª FEIRA, DIA 9, ÀS 21:30, NA "BIBLIOTECA MUNICIPAL"

EM BARCELOS, VAMOS APRESENTAR A NOSSA CANDIDATURA.

sexta-feira, novembro 05, 2004

Quero lá saber de coisas sérias

há emergências e pronto, e esta caiu-me em cima à meia noite e meia, com os toques da campainha. Três longos e três curtos. E eu imobilizada na cama, eu aterrorizada, acabada de acordar, sem saber o que pensar. Só mais tarde liguei o telemóvel, confirmando que já sabia: ele, era ele lá em baixo, e eu sem forças para abrir. Toda a manhã tentei convencer-me de que tudo estava bem, que não valia a pena fazer fosse o que fosse; mas acabei por não suportar mais e ligar-lhe. A voz mole do outro lado. Eu sem conseguir falar. As mesmas frases repetidas trinta segundos depois. (A conversa vou escrevê-la no meu outro moleskine.)

Desligo o telefone, apesar do sol fico triste, o dia acabado para mim. Quero lutar contra esta sensação de perda - mas perda porquê, porquê, o que poderia ser diferente se ele tivesse entrado? E acabo por perceber que ficaria (ficarei) sempre a perder, quer ele entre quer não. Como sempre não há nada a fazer, só cerrar os dentes e esperar que passe.

quinta-feira, novembro 04, 2004

EM BRAGA, VAMOS APRESENTAR A NOSSA CANDIDATURA.

ESTA 2.ª FEIRA, DIA 8, ÀS 21:30, NA ESCOLA PROFISSIONAL DE BRAGA.
A Escola fica perto da feira junto à entrada das traseiras do Parque de Exposições.

Apresentação da lista

Hoje às 21.30, em Viana do Castelo, na Estalagem Melo Alvim.

Vou começar pela minha contribuição

Foi pedido a cada um dos candidatos que escrevesse um texto para figurar no site da lista. O meu é este:

As propostas que fazem parte do programa da lista B são mais ou menos consensuais, de tal forma que poderá haver quem as acuse de falta de originalidade. Mas todos sabemos que os problemas com que nos deparamos há muito que vêm a ser identificados. Todos sabemos do que precisamos: mais Ordem para fora (para uma maior visibilidade e reconhecimento do nosso papel), mais Ordem para dentro (para um maior apoio à profissão). São vectores fundamentais, deste e de qualquer outro programa.
Qual é a diferença, então? O que é que fecha este triângulo?
Para mim é a questão da PARTICIPAÇÃO. Porque implica desde logo um compromisso da parte das pessoas que compõem a lista; implica transparência de funcionamento; implica disponibilidade; e também, não menos importante, implica o envolvimento de outros para além dos que agora concorrem aos orgãos da Secção Regional Norte. Significa que a Ordem passa a ser assunto de todos nós.

Durante as próximas duas semanas...

...vou dedicar-me em exclusivo à campanha da lista B. Nada de falar de filmes, de gajos, de dúvidas. Nem de livros, nem da tese. Céus, no que eu me meti.

quarta-feira, novembro 03, 2004

Mudar mesmo

Em pleno período de campanha para eleições na Ordem dos Arquitectos, contamos espingardas. Aqui temos um blog de divulgação da lista. E aqui está o site da lista B, candidata à Secção Regional do Norte. Esta secção é a única para a qual existem duas listas: tanto a Secção Regional do Sul como o Conselho Directivo Nacional têm apenas uma lista de candidatos. O melhor do debate está a norte.

Dia triste

A Janela acabou.

sexta-feira, outubro 29, 2004

Filmes a ver (lista actualizada)

- Colateral, de Michael Mann
- Terra da Abundância, de Wim Wenders
- Wimbledon (pronto, não vou ver, mas tinha que ter uma desculpa para ter uma fotografia do Paul Bettany durante o fim de semana)

quinta-feira, outubro 28, 2004

...aquelas toilettes não eram um cenário qualquer substituível como se quisesse, mas uma realidade assente e poética como a do tempo que faz, ou como uma luz especial a uma certa hora.

Marcel Proust, A Prisioneira (Em Busca do Tempo Perdido, vol.V)

...o que signifoca que posso deixar-me finalmente de escrúpulos e voltar alegre e justificadamente a ocupar-me de casacos...

Ainda sobre Before Sunset

É verdade que o que eu queria mesmo era que ele tivesse perdido o avião; mas também não sei se acredito que, mesmo que ele tenha ficado, a história de ambos não se resuma a uma combinação dos fracassos que já experimentaram. (Queria acreditar que não, que não, que não.) Este não acreditar leva-me a outro (Eu não acredito em ti. Já não acredito em ti. Nunca mais.) - eu não acredito são as palavras exactas que uso quando quero quebrar o laço que me prende a ele. Quando deixei de acreditar num futuro possível - e feliz - para nós os dois, talvez alguma coisa se tenha quebrado dentro de mim, talvez tenha sido eu mesma. Talvez seja isso que eu tenha contra os romantismos - aos quais as lágrimas sempre cedem, contra a minha vontade - talvez isso me faça não acreditar em mais nada. (Eu antes tinha um sonho; e agora, o que é que tenho?) Talvez seja isso que me enfureça quando vejo coragem e - sonho - representados assim à minha frente (não esquecer como achei gratuita toda aquela cena de Ernesto a atravessar o rio apesar de tudo, gratuita e insuportavelmente complacente).
Tenho medo de me ter tornado uma pessoa plana e amarga, sem sonhos, crescida demais, incapaz demais, sem rumo.

(ele ligou naquela tarde em que felizmente estava no cinema, o telemóvel desligado, sinto que lhe fujo e nem sei porquê.)

terça-feira, outubro 26, 2004

Mais cinema

Ando a retirar filmes da minha lista a uma velocidade estonteante. Ontem fui ver The Motorcycle Diaries (chamo-lhe propositadamente assim, para não colar o ícone de Ernesto Che Guevara às emoções que o filme desperta). O filme é lindo; apesar de nada me ligar à questão da América Latina, a viagem de descoberta é um tema que me toca profundamente... Assim, tentei abstrair-me do Che, o que só me fez voltar a minha atenção para Rodrigo de la Serna, o actor que constrói um Alberto Granado fabuloso, e que não merece ficar escondido a trás da beleza de Gael García Bernal... nem sempre foi possível, no entanto. A cena do atravessamento do rio a nado chegou a irritar-me pela sua auto-complacência. Está bem, está bem, aquilo aconteceu mesmo. Mas que diabo, sem música de fundo. Ou então serão ainda os reflexos da minha melancolia do filme anterior; tendo descoberto que já não sonho, acho patético ver quem sonha. Talvez seja isso, não sei. Mas a isto voltarei mais tarde.

segunda-feira, outubro 25, 2004

O que eu espero mesmo é que ele tenha perdido o avião...


Before Sunset

(Mais um filme fora da minha lista...)
Portei-me bem (só chorei um bocadinho, e ninguém viu), não sei se por me descobrir mais cínica do que eu mesma julgava. Talvez tenha dado por mim a ser mais cínica; talvez seja uma romântica a fingir de cínica; talvez uma cínica a querer ser romântica. Não sei. Sei que tive saudades de mim mesma; saudades dele também.

sexta-feira, outubro 22, 2004

A vida é um milagre

Ontem resolvi aproveitar a minha recente situação de trabalhadora por conta própria (eufemismo mais ou menos disfarçado para o desemprego) para ir ao cinema à tarde. Com o humor com que estava, melhor enfiar-me uma sala escura e viver outra vida. E do topo da minha lista de filmes a ver saiu A Vida é uma Milagre. Estava lá tudo: excesso, música, dança (que saudades da No Smoking Band!), cocaína ao longo das linhas de comboio, uma mula a tentar o suícídio, guerra e amor. E sonho. Luka e Sabaha rolando na terra, a câmara girando sobre o seu abraço. Lágrimas e risos, a vida é um milagre mesmo.

Mais uma nota sobre Quem tem medo...

O texto é de tal forma que rico que serve múltiplas leituras - descobri-las é um dos prazeres que proporciona - desde o imediatismo do riso (e até as razões para este podem ser desmontadas!) ao choque face à violência - quando esta é explícita. E o título? É apenas a ladainha? Ou há aqui também outras camadas?
Quem tem medo de viver no fio da navalha? Quem tem medo da loucura?

quinta-feira, outubro 21, 2004

E agora, o filme?


Também nunca vi o filme com Richard Burton e Elizabeth Taylor. Agora esperarei algum tempo antes de o procurar; o melhor é deixar aquietar primeiro a sensação de vida que a peça deixou.

Eu não acredito em ti. Já não acredito em ti. Nunca mais.

As minhas expectativas eram altas, depois de ter lido coisas como esta.
Mas mesmo assim não saí defraudada: Quem tem medo de Virginia Woolf é de facto a melhor peça que tive o privilégio de ver nos últimos tempos. Não só pelo texto (que não conhecia e que é, de facto, magnífico, pela crueza com que nos mostra o campo de batalha em que se tornou uma relação, pela inteligência dos diálogos, pela intensidade e pelo dinamismo com que se ucedem as emoções e os registos), mas pela interpretação fabulosa: António Capelo e Glória Férias têm o dom de incorporar as personagens e assim as tornar credíveis ao fim de duas falas. Depois, tudo o resto, da iluminação ao cenário. (E Sandra Salomé, que torna Honey capaz de ombrear com o gigantismo de Martha e George.) O Teatro do Bolhão inicia com esta peça um ciclo de espectáculos com textos de pendor realista, e eu não falharei nenhum. E tudo porque o teatro assim faz acontecer magia sob o nosso olhar.

quarta-feira, outubro 20, 2004

Finalmente: arribei?

Passei hoje de manhã pela faculdade, na minha ânsia de reunir informação e material para a tese. Ou, antes, na minha ânsia de fingir que faço, que é maior do que a primeira e por isso tem prioridade. Mas, ânsias à parte, resolvi passar pelo pavilhão onde dá aulas uma antiga professora, aquela que sempre me apoiou apesar da minha absoluta e evidente inépcia (ou inércia). Sorriu-me quando entrei, falou com alegria do painel da Anuária, perguntou-me se tinha trabalho, e disse-me que lhe falasse depois da tese, para ela me ajudar. E despediu-se com esta frase: Fiquei contente por ver o teu nome lá, pensei: que bom, esta rapariga finalmente arribou.

terça-feira, outubro 19, 2004

Pareceu-lhe que de agora em diante ele não precisava mais ter voz de homem nem procurar agir como homem: ele o era.

Clarice Lispector, A Maçã no Escuro

E se os casacos que compro, se o meu (mais ou menos) súbito interesse pelas roupas que uso, se o meu desejo de me mostrar - mulher - não corresponderem a mim mesma, isto é, ao que realmente sou e tive tantas vezes medo de ser e mostrar, mas antes ao desejo de imitar a ideia que em mim faço do que é ser mulher?
(Na realidade, enquanto escrevo, penso que talvez a distinção não seja assim tão importante. O desejo mantém-se, lânguido apesar da chuva.)

domingo, outubro 17, 2004

Domingo

A manhã meia cinzenta, metade da cidade fechada, Serralves completamente fora do meu alcançe: onde procurar refúgio? Domingos arrastam-se lamentavelmente vazios. Amanhã é dia de imitar novamente a rotina, fingir-me ocupada em mil tarefas, atravessar o passeio de cabeça mais ou menos erguida, conforme a disposição e os olhos que me espreitem. Sorrir-lhe, talvez. Se sorrir não for, claro está, comprometer-me demasiado com o desconhecido. Se sorrir for apenas brincar aos crescidos.

sexta-feira, outubro 15, 2004

O dia animado

Ontem foi um dia animado: passeei no Porto em busca de compras e descobri-as na Retroparadise. Não foram apenas as compras que descobri, porém; nem apenas o vintage, ou o casaco preto a assentar-me como se tivesse sido feito para mim. Foi olhar-me sem tanto receio de parecer demasiado feminina, demasiado coquette, demasiado... não sei bem, talvez sedutora. Assumidamente com o desejo de seduzir.
E é claro que casacos são apenas manifestações visíveis desse desejo. Outra, bem mais impalpável, foi subir e descer as escadas do prédio, passando mais ou menos ostensivamente em frente da loja onde trabalha o vendedor mais giro que eu já vi. (Com resultado zero, diga-se; acabei então por tirar quase toda a roupa do armário e experimentá-la em novas variações, como uma criança com um brinquedo novo.)

quinta-feira, outubro 14, 2004

Ou é para chamar a atenção?
Será mimo?

Vale a pena?

Escrever vale a pena? Porque se escreve?
Porque é que eu escrevo?
Reconhecimento, fama glória?
O que tenho eu para dizer?
Dizer a quem?
Não é melhor deixar-me ficar pelo caderno?

quarta-feira, julho 21, 2004

I love Canidelo

Adoro-o adoro-o adoro-o, principalmente agora que o trabalho está (quase) acabado e apresentado, principalmente agora que o esforço foi recompensado com as palavras calorosas do professor no final, principalmente agora que posso sentar-me a saborear, dormir, ler.
Bem sei que por pouco tempo, que a escolha do tema para a tese começa a roer-me os tornozelos como um cachorro traquinas. Mas por agora não quero mais do que uma manta no Parque da Cidade, deitar-me e olhar o céu.
Ainda turquesa.

segunda-feira, julho 19, 2004

Entrega de Seminário -1

Impossível escrever STOP atenção concentrada até amanhã STOP prometo mudar a cor do template STOP over and out.

sábado, julho 17, 2004

Divisa de felicidade

«Presença e distância em relação ao mundo.»
Toma. Apareceram-me com um teste do género «Qual a sua perspectiva relativamente à felicidade neste momento», que contava com quatro grandes famílias, a saber: felicidade de acção, felicidade de satisfação, felicidade de domínio, felicidade de serenidade. Respectivamente: 2, 2, 1, 5. Daí a «presença e distância em relação ao mundo». Ou, trocando por miúdos: não me chateiem com comezinhices que eu quero lá saber. Estou na minha onda zen e bem podem matar-se uns aos outros, quero lá saber se no autocarro haja quem cante, quem grite, quem discuta; estou no mundo mas não lhe pertenço, perspectiva terrível e assustadora. Já houve alturas em que quis ser outra coisa, ser assertiva e batalhadora; já houve alturas também em que o fui muito menos. Cada um é como é e não como deseja ser, mesmo que os desejos façam parte do que se é. 
Bolas. Até nas reacções sou serena.

sexta-feira, julho 09, 2004

You are an SRCF--Sober Rational Constructive Follower. This makes you a White House staffer. You are a tremendous asset to any employer, cool under pressure, productive, and a great communicator. You feel the need to right wrongs, take up slack, mediate disputes and keep the peace. This comes from a secret fear that business can't go on without you--or worse, that it can.

If you have a weakness, it is your inability to say "no." While your peers respect you, they find it difficult to resist taking advantage of your positive attitude and eagerness to take on work. You depend on a good manager to keep you from sinking under the weight and burning out.

quarta-feira, maio 19, 2004

minúscula n.2

sonhei contigo um destes dias, mesmo antes de acordar. não terá sido bem um sonho, talvez mais uma sensação; acabava de acordar, estavas deitado sobre o meu corpo, a face semi-escondida na curva do ombro esquerdo
eu rodeava com o braço direito o teu tronco, sentia a suavidade da tua pele clara
a luz delicada da manhã começava a tomar conta do quarto

segunda-feira, maio 17, 2004

minúscula n.1

sonhei contigo

acordei a sonhar contigo

era um sonho sem luz, o de hoje (ao contrário dos sonhos em que habitualmente figuras, em que a luz - a cor, o tom, a intensidade - é tão importante como qualquer outra coisa)

era um sonho onde tudo se passava no interior de casas, em corredores, junto a portas,

em que havia um nó que era um beijo, e depois tudo se alterava,

lembrei-me de ti, acordei a sonhar contigo.

Calor

Tarde turquesa
Quarenta graus
Talvez porque você não esteja
tudo lateja
Tarde sem nuvem
Cincoenta graus
Talvez por sua ausência
tudo derreta
Noite sem ninguém
Nada se mexe
Eu sonho nosso amor a sério
E você em outro hemisfério
Enquanto tudo derrete
Enquanto tudo derrete
Enquanto tudo parece
Derreter



Adriana Calcanhotto, Cantada

quinta-feira, maio 13, 2004

Desconcerto

Ao mesmo tempo que corrompemos a ideia de feminilidade, é nela ainda que vivemos...

Por isso não se espere mais do que isto, um sentimento desconcertado por parte de um género (mais do que intimidação, talvez seja uma espécie de surpresa que o outro hemisfério sente), um sentimento desajustado por parte do outro (por cá, pelo contrário, é a incerteza sobre a identidade que reina).

Claro que poderão ser muitas as vozes que clamem o contrário, que se proclamem fantasticamente adaptadas aos tempos que vivemos. Pela minha parte, oscilo indefinida entre vários campos, a identidade construída ao sabor da disposição dos dias, dos modelos que provisoriamente adopto e admiro. Qualquer generalização é sempre redutora, também o sei. Mas é necessário a espaços adoptar epígrafes que norteiem parte do caminho.

quarta-feira, maio 12, 2004

Motivação (2)

Pelos vistos, não fui a única. Ainda bem. Já suspeitava de um caso extremo de alucinações matinais.

Motivação

Este súbito regresso pode ter sido provocado pela notícia que ouvi com assombro hoje, acabada de acordar: Anacom quer acabar com blogs.

Faz sentido.

E agora, para onde?

Estive longe, por muitas e diversas razões, a mais irrelevante das quais não será a falta de sentido, de identidade, que vejo neste espaço. Durante muito tempo tive um blog meu, privado, que não era para ser lido; era um registo apenas, como se para manter uma memória fosse obrigada a registá-la. Neste momento não sei sequer se este espaço é ou não para ser lido, pelo que me deixo estar numa indefinição açucarada. Deveria ser um espaço de liberdade - mas eu não sei ainda exercê-la, presa que estou das opiniões alheias; ou da minha fantasia das opiniões alheias, o que, para o caso, pouca diferença faz...

Até já, então. Talvez a interrupção não seja tão longa.

quarta-feira, abril 07, 2004

Fazem-se sonhos

Há ainda nas janelas folhas de papel branco com dizeres:
fazem-se arranjos
pequenos arranjos de costura.
Sempre tive vontade de entrar numa dessas casas e pedir que me arranjassem um botão, uma bainha; sempre tive vontade de espreitar caixas de costura, cheias de instrumentos que nunca soube manejar. Fazem-se sonhos, é o que querem dizer.
Sonhos feitos de pano.
Tecido em diversas cores.

Boa tarde.

segunda-feira, abril 05, 2004

Santidade

Ontem foi Domingo de Ramos.

Penso muitas vezes que a marcação religiosa do calendário é uma espécie de âncora dos dias; uma tentativa de transformar a sua passagem em algo menos vazio. O ano passado, aproveitei a frequência de um curso de fotografia (sim também tirei as minhas silly photos of my feet) para indagar a minha religiosidade. Escolhi mais ou menos propositadamente uma igreja de que não gostava: o que me interessava era não o espaço, mas o sentimento que o habita.
O resultado não foi de forma alguma brilhante - a minha vontade de acreditar não parece ter tido resposta da minha capacidade. Deve ser por isso que lhe chamam mistério da fé. Da experiência resultou uma série a que quis chamar Mónica e a santidade. Tirei-o de um conto de Sophia, Retrato de Mónica, em que se lê:
A poesia é oferecida a cada pessoa uma só vez e o efeito da negação é irreversível. O amor é oferecido raramente e aquele que o nega algumas vezes depois não o encontra mais. Mas a santidade é oferecida a cada pessoa de novo cada dia, e por isso aqueles que renunciam à santidade são obrigados a repetir a negação todos os dias.
Tinham passado anos desde que havia lido este conto. Ontem comprei finalmente os Contos Exemplares e copiei o parágrafo. Não sei se terei falhado completamente a minha tentativa; ou quantas vezes tenho renunciado à santidade nos últimos tempos. Nem sei bem o que é a santidade ou renunciar a ela.

Quanto à série, acabou por ficar sem título. Também talvez não merecesse tal filiação. Houve uma exposição colectiva no final do curso, com direito a noite de inauguração: e essa sim, foi uma noite de promessas. Mas isso é já outra história...

sábado, abril 03, 2004

Ainda a identidade

Lamento: não me conhecer de todo. Assim, passo metade do tempo a desfazer o que faço. Não, não me chamem Penélope. Esse é apenas um dos nomes ao qual respondo; apenas um dos arquétipos que me formam. Vão-se sucedendo, não me fixo em nenhum deles. Há uma pergunta há qual continuo a não saber responder: o que quero?

sexta-feira, abril 02, 2004

Inclinações 1

Em apenas meia dúzia de horas, já alterei algumas vezes tanto o template como a assinatura. Nada de grave, claro, embora saiba bem que a cada mudança corresponde também um desejo diferente para as minhas inclinações. Por isso, vou começar a construir tudo devagarinho, com paciência; com mais paciência que a que tem pautado muitos dos meus projectos, abandonados demasiado depressa depois dos primeiros fervores.
A Menina Inclinada, recorde-se, era-o porque o seu referente de gravidade era diferente; encontrava-se em outro ângulo. O meu centro também muda de posição, assim como as minhas inclinações. Às vezes até coincidem com as dos que me rodeiam.

Vidas escritas

Tem sido o meu livro de cabeceira. Se nunca gostei de conhecer demasiadas coisas acerca dos autores de que gosto, é porque as personagens que povoam o imaginário não têm possibilidade de aí continuar a partir do momento em que se tornam reais. Ou seja: podem ser de carne e osso, estar ao nosso lado, correspondermo-nos com elas; ou podem viver no mundo que sonhamos para elas. Mas não podem viver em dois mundos em simultâneo. É isso que me faz condescender em absoluto com aqueles de quem gosto.
A vantagem das pequenas biografias de Javier Marías é que cada autor é tratado como personagem; é que percebemos também as embirrações de Marías (que eu me prontifico a desculpar, por o tratar a ele mesmo como um ser semi-imaginário). Li, até agora, aqueles que são tratados com ironia mas sem afecto, como ele mesmo avisa. Mann, Joyce, e Mishima. Gosto dos três; até isso eu perdoo a Marías.
inclino-me. face à terra. não escrevo, penso apenas às vezes. em minúsculas apenas quando sonho.
testing, one two three.

vamos a isso.